Plataforma Arduino, um universo de possibilidades

354 views

O Projeto Arduino foi iniciado em meados de 2005 na Itália com o intuito de criar uma solução de baixo custo e simples utilização para criação de projetos eletrônicos digitais por pessoas sem conhecimentos técnicos de engenharia.

O nome “Arduino” vem do nome de uma Via (rua) com muitos bares e restaurantes onde os criadores se reuniam para estruturar o projeto. Os fundadores são Gianluca Martino, David Mellis, David Cuartielles, Tom Igoe e Massino Banzi.

(esq.-dir.)Gianluca Martino, David Mellis, David Cuartielles, Tom Igoe e Massino Banzi.

O resultado deste projeto foi a concepção de um software (Arduino IDE) para criação, compilação e gravação de programações e um hardware para construir protótipos e projetos IoT – Internet of Things (Internet das coisas – tradução livre).

Primeira versão da placa Arduino. Note a conexão por porta serial RS232, emprego de componentes PTH e terminais machos de comunicação digital e analógica.

O fator de sucesso da plataforma Arduino foi a escolha de tornar o projeto open-source como um todo. Desta forma, inúmeros desenvolvedores de hardware ao redor do mundo começaram a criar módulos e Shields compatíveis com este sistema, popularizando e consolidando a plataforma Arduino entre estudantes, hobbistas e profissionais das áreas de eletrônica, automação e IoT.

 

O software Arduino IDE (Interface Development Environment)

O software Arduino IDE (Integrated Development Environment), é o ambiente onde criamos, compilamos e realizamos o upload do nosso código fonte. O software é gratuito e bastante simples de utilizar.

 

Janela do software Arduino IDE.

 

FunçãoDescrição
1VerificarVerifica no código fonte digitado se o mesmo está correto, caso esteja 100% correto o código é compilado e caso encontre algum erro informa na caixa de diálogo.
2DescarregarExecuta todas as funções do botão verificar e caso o código esteja correto, realiza o upload do mesmo na placa Arduino.
3NovoAbre um novo documento em branco.
4AbrirAbre um programa salvo anteriormente.
5SalvarSalva as alterações realizadas. – Obs.: Quando o código é compilado, as alterações são salvas automaticamente.
6Monitor SerialFerramenta para ler e enviar dados para a placa Arduino.
7Ambiente de programaçãoÁrea para criação e escrita do código fonte.
8Caixa de diálogoÁrea onde são exibidas mensagens sobre o código fonte, como por exemplo, se o mesmo possui erros, onde encontram-se os erros, se o código foi compilado, o tamanho do programa em KB, etc.
9Hardware configuradoEste campo mostra qual placa Arduino você vai utilizar.

O hardware Arduino

A Arduino UNO é composta basicamente pelas partes a seguir:

Descrição dos terminais e principais componentes da placa Arduino UNO R3.

Na placa Arduino UNO existem dois tipos de pinos, pinos digitais e pinos analógicos. A imagem a seguir mostra a função de cada pino da placa Arduino individualmente se é entrada ou saída. Veja a seguir as diferenças entre eles.

Identificação dos terminais da placa Arduino UNO R3.

Pinos digitais

Pinos digitais são muito mais fáceis de entender, pois possuem apenas dois estados, ON ou OFF. Em termos de Arduino, um estado ON é conhecido como HIGH (5V) e do estado OFF é conhecido como LOW (0V). Os pinos digitais do Arduino podem ser configurados como entradas ou saídas.
Pinos digitais são por padrão configurados como entradas, por isso eles não precisam ser explicitamente declarados como entradas com a função pinMode () quando você quiser usá-los como entradas. Pinos configurados como entradas são colocados em estado de alta impedância.

Placa Arduino UNO R3 com portas digitais em destaque.

Pinos configurados como saída com a função pinMode () são colocados em estado de baixa impedância. Isto significa que eles podem fornecer uma quantidade substancial de corrente para outros circuitos. Os pinos digitais podem fornecer até 40 mA (miliamperes) de corrente para outros dispositivos / circuitos. Esta corrente é o suficiente para acender um LED, ou ler vários sensores, por exemplo, mas não o suficiente atual para ligar relés, solenoides ou motores.

Pinos analógicos

Um pino analógico pode assumir qualquer número de valores, ao contrário do sinal digital, que como vimos há pouco tem apenas dois valores (LOW=0V e HIGH=5V). Para medir o valor de sinais analógicos, o Arduino utiliza de um conversor analógico-digital (ADC) interno. O ADC transforma a tensão analógica num valor digital.

 

Placa Arduino UNO R3 com portas analógicas em destaque.

A função que você usa para obter o valor de um sinal analógico é analogRead (). Esta função converte o valor da tensão em um pino de entrada analógica e te fornece um valor de 0 a 1023, proporcional ao valor de referência. A referência é 5V na maioria dos Arduinos, 7V no Arduino Mini e Nano, e 15V em Arduino mega. Para usar esta função basta inserir o número do pino utilizado dentro dos parênteses assim analogRead (nº do pino).

Esperamos que tenham gostado deste tutorial.

Para tirar dúvidas e sugestões, deixe um comentário abaixo. Não esqueça de conferir nossa loja.

(Visited 333 times, 1 visits today)